'Nevasca do século' deixa mais de 50 mortos nos EUA e no Canadá

 Apesar da agressividade das tempestades ter diminuído, ainda é perigoso ficar fora de casa, principalmente em Buffalo, cidade próxima de Nova York.

A tempestade de inverno mais rigorosa em décadas nos Estados Unidos causou a morte de 57 pessoas no país e no Canadá, 27 delas em um condado do estado de Nova York, e está longe de terminar, alertaram autoridades nesta segunda-feira (26), chamando o fenômeno de "tempestade do século".

"É cedo demais para dizer que acabou", afirmou em Buffalo a governadora de Nova York, Kathy Hochul, acrescentando que ainda se espera a queda de mais 30 cm de neve. "É claramente a tempestade de neve do século", completou em sua cidade natal.

  • Embora a intensidade da nevasca tenha diminuído nos últimos dias, "ainda é perigoso estar fora de casa", disse a governadora;
  • Ela conversou com o presidente Joe Biden, que ofereceu a ajuda do governo federal ao Estado de Nova York e declarou estado de emergência no Estado;
  • Tempestade provocou o cancelamento de cerca de 15 mil voos;
  • Mortes por consequência das nevascas foram relatadas em 9 dos 50 estados americanos;
  • Desde a semana passada, temperaturas negativas foram registradas em 48 deles; milhares ficaram sem energia;
  • A eletricidade foi restaurada em cerca de 13 mil residências;
  • A previsão é de que o tempo melhore gradativamente no decorrer da semana.

Homem caminha no bairro de Elmwood em Buffalo, EUA — Foto: Craig Ruttle/AP

A região oeste do estado de Nova York, acostumada com o frio congelante e as nevascas, está enterrado sob um manto de neve, tendo que aguentar temperaturas polares desde a semana passada.

A tempestade , com rajadas de neve, ventos com força de furacão e temperaturas abaixo de zero, provocou o cancelamento de mais de 15.000 voos nos Estados Unidos nos últimos dias, quase 4.000 deles na segunda-feira, de acordo com o site Flightaware.com.

O número de vítimas fatais no condado de Erie chegou a 13 no domingo à noite. Desde então, mais 14 óbitos foram confirmados, "elevando a 27 o total de mortos pela nevasca", declarou a autoridade máxima local, Mark Poloncarz.
Algumas pessoas foram encontradas mortas em seus automóveis e outras tiveram parada cardíaca ao tentarem limpar a neve sob temperaturas ainda muito baixas, acrescentou Poloncarz. Outras vítimas ainda devem se encontradas.

Pelo menos 49 mortes relacionadas às condições climáticas foram confirmadas em nove estados. Em Ohio, os acidentes rodoviários relacionados ao mau tempo deixaram nove mortos, confirmou à AFP a Patrulha Rodoviária do estado.

"Desesperador"

Moradores de Buffalo tentam caminhar pelas ruas cobertas de neve — Foto: Craig Ruttle/AP

As ruas de Buffalo, segunda maior cidade do estado de Nova York, ainda estavam em grande parte bloqueadas hoje, devido à neve.

"Por favor, se não fizerem parte dos serviços de emergências, não dirijam", insistiu Poloncarz, observando que o número de óbitos em Erie deve superar o da tempestade de Buffalo em 1977, quando quase 30 pessoas morreram.

A proibição de viajar seguia vigente nesta segunda-feira pela manhã no oeste do condado, mas alguns moradores desafiavam a medida.

Membros da Guarda Nacional e outros socorristas já resgataram centenas de pessoas de carros cobertos de neve e de casas sem energia elétrica. As autoridades afirmam que muitas continuam presas.

"É desesperador receber ligações de famílias com crianças que dizem que estão congeladas", desabafou o xerife do condado de Erie, John Garcia, em entrevista à rede de TV americana CNN. Apesar das condições perigosas, a polícia de Buffalo resgatou centenas de pessoas, segundo o prefeito da cidade, Byron Brown.

Mark Poloncarz informou que a eletricidade foi restabelecida em cerca de 13 mil lares nas últimas 24 horas, e que mais de 12 mil seguiam sem luz. Alguns não poderão ser reconectados à rede até amanhã.

No sábado, os cortes de energia em todo o país afetavam quase 1,7 milhão de residências, segundo o site especializado poweroutage.us.

Ventos polares

Carro totalmente coberto por neve na garagem de casa em Amherst, cidade no estado de Nova York — Foto: Delia Thompson/AP

Desde a noite de quarta-feira (21), os Estados Unidos sofrem com essa tempestade de rara intensidade, cujos ventos polares provocaram nevascas, sobretudo na região dos Grandes Lagos.

Durante o fim de semana, temperaturas abaixo de zero foram registradas em 48 dos 50 estados do país, incluindo comunidades do Texas e ao longo da fronteira com o México, onde alguns migrantes tiveram dificuldade para encontrar abrigo.

Dezenas de milhões de americanos tiveram seu Natal interrompido por cortes de energia em massa, estradas intransitáveis e voos cancelados, que provocaram caos nos aeroportos.

A previsão é de que o tempo melhore gradativamente no decorrer da semana.

O clima extremo "continuará causando condições perigosas de viagem, em nível local, nos próximos dois dias", alertou o NWS. "A maior parte do leste dos Estados Unidos permanecerá em condições de congelamento nesta segunda-feira, até que se estabeleça uma tendência mais moderada a partir de terça-feira", acrescentou.

Por 

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.