Vazamentos atingem gasodutos da Rússia para Alemanha e agravam crise

 O Kremlin não descarta sabotagem e se disse "extremamente preocupado", enquanto o governo da Dinamarca afirma ser difícil acreditar em coincidências.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) — Um dos principais gasodutos ligando a Rússia à Europa e seu irmão gêmeo, ainda não em operação, sofreram "danos sem precedentes" e apresentam vazamentos. O Kremlin não descarta sabotagem e se disse "extremamente preocupado", enquanto o governo da Dinamarca afirma ser difícil acreditar em coincidências.

Os vazamentos subaquáticos foram detectados pelas autoridades marítimas suecas e dinamarquesas, que avaliaram a gravidade, e confirmados depois pela Rússia. Eles afetam os ramais Nord Stream 1 e 2, símbolos da integração energética entre europeus e russos que agora está no centro de uma crise devido à invasão promovida por Vladimir Putin na Ucrânia.

Imagens feitas por um caça F-16 dinamarquês mostram uma grande área com bolhas na superfície do mar Báltico. Segundo o centro alemão de sismologia GFZ, houve duas perturbações fortes na região a partir das 2h (21h de segunda em Brasília), seguidas por um padrão compatível com o de vazamento contínuo sob a água. O órgão não comentou se isso indicaria explosões.

O Nord Stream 1 opera desde 2011, ligando diretamente Rússia e Alemanha sob o Báltico. Ele e seu irmão integravam o plano de Putin de desviar o trânsito do gás -que abastecia até 40% das necessidades da União Europeia até a guerra- do território da Ucrânia.

Por lá segue passando o produto russo, mesmo com a guerra, por dois antigos gasodutos soviéticos, o Irmandade e o União, que têm capacidade conjunta de enviar até 156 bilhões de metros cúbicos de gás por ano. O Nord Stream 1 adicionou um potencial de 55 bilhões de metros cúbicos e transitava por seus dutos 60% do produto comprado pelos alemães, mas desde junho só está operando a até 25% de sua capacidade.

Os russos alegaram problemas técnicos devidos às sanções ocidentais, como a falta de uma turbina de compressão em conserto no Canadá. Parte significativa das punições impostas a Moscou devido à Guerra da Ucrânia é na área tecnológica.

A Europa e os EUA acusam Putin de transformar sua dependência do gás russo em uma arma, com cortes no fornecimento a países que se recusaram a pagar em rublos, manobra para fortalecer a moeda de Moscou. O presidente russo nega, mas já disse que pode religar o Nord Stream 1 "com o apertar de um botão". A carta do gás é uma das mais poderosas que tem, e seu antigo maior cliente, a Alemanha, fechou um acordo com os Emirados Árabes Unidos no fim de semana para tentar mitigar um pouco a questão.

Países da União Europeia já reduziram sensivelmente a compra de petróleo russo e discutem se irão colocar um limite de preço para compras energéticas. É tema controverso, pois há nações que não veem na guerra motivo para entrarem em insegurança no setor. Isso pressiona os governos, já que pesquisas mostram que a população é mais favorável a saídas negociadas do que a embates prejudiciais ao cotidiano.

Isso já está acontecendo. O preço do gás ao consumidor já chega a dez vezes a média da última década em alguns países, como o Reino Unido, e o inverno europeu está se aproximando. Com ele, a necessidade não só de indústrias terem energia, mas de casas serem aquecidas.

Na Alemanha, além da tentativa de estabelecer uma rede para gaseificar o produto líquido enviado por navios do Golfo Pérsico, o governo está tentando religar parte de sua rede desativada por motivos ambientais. A Siemens, por exemplo, teve duas termelétricas a carvão, modal muito poluente, reativadas, e três usinas nucleares poderão ter seu desligamento adiado.

Não há detalhes ainda sobre a natureza do que está acontecendo. O Nord Stream 1 está praticamente paralisado, e o Kremlin afirmou que "está extremamente preocupado".

"Nenhuma opção pode ser descartada agora", disse o porta-voz Dmitri Peskov.

"São notícias preocupantes. Estamos falando de algum dano de natureza incerta na zona econômica da Dinamarca", afirmou, sem saber precisar quando a operação vai retomar. Sobre o Nord Stream 2, sabe-se ainda menos, até porque ele não está operacional.

Ele foi finalizado em setembro de 2021, ficando como polêmico legado da duradora primeira-ministra Angela Merkel, mas nunca foi ligado. Inicialmente, havia dúvidas regulatórias em Berlim, vistas em Moscou como políticas já que o governo estava em transição. A guerra interrompeu de vez o processo, e o novo líder alemão, Olaf Scholz, já afirmou que o ramal "não vai fornecer gás nunca".

Ocorre que ele é um projeto de US$ 11 bilhões (R$ 54 bilhões se fosse pago à vista hoje) que envolve diversas empresas europeias, lideradas pela estatal russa Gazprom, então muito da fala grossa é posição política. Do outro lado, claro, o mesmo: "Essa é uma questão relacionada à segurança energética de todo o continente", afirmou Peskov, em tom mais de ameaça do que de preocupação.

Em uma entrevista na Polônia, a primeira-ministra dinamarquesa, Mette Frederiksen, disse que é "muito difícil imaginar" que os vazamentos são uma coincidência, mas evitou especular. A Comissão Europeia, braço executivo do bloco continental, afirmou que ainda não há risco de segurança ambiental grave detectado, mas que é cedo para avaliar.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.