Bolsonaro reúne evangélicos, ministros e deputados em ato político no Palácio da Alvorada

 Vinte e quatro líderes evangélicos discursaram em evento na residência oficial da Presidência da República, fazendo elogios e manifestando apoio ao presidente.

O presidente Jair Bolsonaro reuniu na tarde desta terça-feira (8) mais de duas dezenas de pastores evangélicos, além de deputados, senadores e ministros do governo em um ato político na residência oficial do Palácio da Alvorada.

Durante o encontro, transmitido por rede social, 24 pastores foram chamados a discursar ao microfone. Fizeram elogios a Bolsonaro e ao governo e manifestaram apoio ao presidente. Enquanto o pastor Cesar Augusto, da Igreja Apostólica Fonte da Vida, falava sobre o atentado a faca do qual Bolsonaro foi vítima na campanha eleitoral de 2018, o presidente e a primeira-dama Michelle Bolsonaro choraram.

Dentre os pastores, estavam deputados da Frente Parlamentar Evangélica, entre os quais Sóstenes Cavalcante (União Brasil-RJ), presidente da frente, e Marcos Pereira (SP), presidente do Republicanos, partido da base de apoio do governo — no último dia 23, Pereira criticou Bolsonaro ao dizer que ele "só atrapalhou" as articulações do Republicanos para filiações de deputados na chamada "janela partidária".

Segundo Sóstenes Cavalcante, 86 parlamentares registraram presença no evento. "Ter um governo alinhado aos nossos valores, fica mais fácil", disse.

Para o pastor Estevam Hernandes, é necessário evitar um "espinheiro" no governo. "Não vamos permitir que o espinheiro governe o Brasil. Esse é o nosso desafio", afirmou, sem especificar a que ou a quem se referia..

Abner Ferreira, da Igreja Apostólica Fonte da Vida, disse que os pastores têm um "chamamento" a atender. "Temos um chamamento em 2022. Não podemos perder isso de vista", declarou.

Depois de criticar a "roubalheira que se instalou neste país", o pastor Silas Malafaia questionou: "É essa gente que quer governar o país? Deus nos livre disso".

Bolsonaro foi o último a discursar. Ele disse que governa o país de acordo com o desejo dos evangélicos.

"Eu dirijo a nação para o lado que os senhores assim o desejarem. É fácil? Não é. Mas nós sabemos e temos força para buscar fazer o melhor para a nossa pátria", declarou.

"Não vejo a hora de um dia entregar o bastão da Presidência para poder ir para a praia, tomar um caldo de cana na rua, voltar a pescar na Baía de Angra, ter paz. Mas eu creio que uma coisa fala por tudo isso aqui. Quem estaria no meu lugar se a facada fosse fatal? Como estaria o Brasil nessa pandemia?"

Sem mencionar o PT e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ele atacou os adversários: "Se essa pessoa, um dia, esse partido, essa ideologia, essa gangue, essa quadrilha, roubarem a nossa liberdade, aí complica a situação", afirmou. "As nossas decisões agora farão com que lá na frente nós teremos ou não uma vida de liberdade acima de tudo".

Ele falou também sobre o encontro que teve no mês passado, em Moscou — poucos dias antes de se iniciar a invasão da Ucrânia pela Rússia — com o presidente russo, Vladimir Putin.

"Há poucas semanas, eu estive com um dos homens mais poderosos do mundo. Ele vive num conflito com o país vizinho", declarou. "Eu me lembro muito bem da mensagem que eu poderia dar naquele momento. Falei: 'Presidente Putin, o mundo é a nossa casa, e Deus está acima de todos nós'", complementou.

O presidente Jair Bolsonaro (à dir.), ao lado da primeira-dama Michelle Bolsonaro e da ministra Damares Alves enquanto um pastor discursa durante ato com líderes evangélicos na residência oficial do Palácio da Alvorada — Foto: Reprodução / Facebook

Por 

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.