Vídeo: pais de jovem assassinado em Campina Grande desabafam

 Agentes da Polícia Civil concederam na manhã desta terça-feira, 04, uma coletiva de imprensa para revelar detalhes da prisão de um dos suspeitos de ter matado o motorista de aplicativo Daniel Vitor Cavalcante Brito, de 21 anos.

O jovem foi encontrado em um carro parcialmente incendiado, no bairro de Bodocongó, na noite de 27 de dezembro de 2021. Após a revelação de como o crime aconteceu, a nossa reportagem conversou com os pais da vítima.

Ainda muito abalados, Cristina Cavalcanti e Dorgival de Oliveira descreveram qual a sensação que fica ao tomar conhecimento de como a dupla (um homem já preso e uma mulher que segue foragida) assassinou Daniel Vitor.

A prisão

O crime que tirou a vida do estudante universitário e motorista por aplicativo Daniel Vitor Cavalcante Brito, no dia 27 de dezembro, em Campina Grande, está elucidado. Nessa segunda-feira, 03, a Polícia Civil prendeu o suspeito do delito e identificou a segunda pessoa envolvida no caso.

De acordo com o superintendente de Polícia Civil em Campina Grande, Glauber Fontes, trata-se de um latrocínio cometido por um casal. O homem preso, de 35 anos de idade, confessou ter asfixiado Daniel com um fio de telefone celular.

“Ele disse em seu depoimento que estava precisando de dinheiro e, por isso, resolveu cometer o que a princípio seria apenas um roubo. Mas, aparentemente, o suspeito confesso não tem muita experiência no mundo do crime e acabou cometendo um latrocínio, ou seja, matou Daniel apenas para levar seu aparelho celular”, explicou.

Daniel Vitor ficou desacordado, devido à pressão que sofreu em seu pescoço com o fio de telefone, e o suspeito saiu para comprar um isqueiro. Na volta, ele ateou fogo no carro, pensando que esta atitude o livraria de ser identificado e preso. “Ele usou o álcool que a própria vítima tinha no carro”, disse o delegado.

O homem preso contou com a ajuda de sua ex-companheira, com quem tem dois filhos. Após o crime, ela resolveu fugir da cidade, conforme apontam as investigações.

Foragida

O delegado Demétrius Patrício, que preside o Inquérito na Delegacia de Roubos e Furtos, disse que já representou pela prisão preventiva da mulher envolvida no crime.

“A informação que temos é de que ela deixou os filhos com uma conhecida sua e fugiu de Campina Grande. Dessa forma, pedimos a colaboração da sociedade, no sentido de nos repassar qualquer informação que nos leve a essa pessoa. O disque-denúncia 197 é uma ferramenta segura e garante sigilo absoluto”, frisou.

O investigado confesso está recolhido na Central de Polícia Civil, aguardando audiência de custódia.

Por Paraíba Online

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.