RÁDIO INFORMATIVO EM FOCO

Pesquisadores da UFCG descobrem nova espécie de jararaca no Sertão da Paraíba

 Serpente foi encontrada no Pico do Jabre, ponto culminante da Paraíba. Artigo foi publicado na última terça-feira pela Canadian Science Publishing.

Pesquisadores da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), em parceria com pesquisadores de outras instituições do país, anunciaram a descoberta de uma nova espécie de serpente. A descrição do até então desconhecido réptil foi publicada na última terça-feira (18), em artigo na Canadian Science Publishing, maior editora canadense de periódicos científicos internacionais.

De nome científico Bothrops jabrensis, a agora conhecida como jararaca-do-jabre foi encontrada em 2016, durante pesquisa de campo de uma equipe do Laboratório de Herpetologia da UFCG sobre a biodiversidade de anfíbios e répteis no Pico do Jabre, ponto culminante da Paraíba, com 1.197 metros de altitude, localizado no município de Matureia.

"Achamos o encontro da espécie inusitado, pois foi encontrada na  vegetação. Entramos em contato com um amigo, Marco Antonio Freitas, do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), que é especialista em jararacas, e ele imediatamente reconheceu que estes indivíduos eram diferentes de outras espécies brasileiras e, a partir daí, entramos em contato com Fausto Barbo e Felipe Grazziotin, especialistas em jararacas do Instituto Butantan, e com Gentil Pereira, especialista em taxonomia de serpentes da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Foi quando começamos o desenvolvimento da escrita do trabalho", explica o professor Marcelo Kokubum.

Segundo o pesquisador, a espécie é distinguível morfologicamente principalmente pelo número de escamas e pela coloração. Além disso, apresenta hábitos arborícolas (vive em árvores) e está presente em uma localidade longe das demais espécies mais relacionadas (espécies-irmãs) de jararacas de ambientes florestais.

A confirmação veio após análise molecular, realizada no Instituto Butantan, que apontou uma forte diferenciação genética da nova espécie em relação às outras jararacas, revelando a existência de uma linhagem filogenética anteriormente desconhecida que vem evoluindo como uma unidade independente há mais de 8 milhões de anos.

"Este estudo fortalece a importância da pesquisa científica para o conhecimento da biodiversidade da fauna e da flora da nossa Caatinga, uma vez que muitas novas espécies de organismos, incluindo possíveis fármacos ou substâncias, podem ser encontradas. Revela, também, a importância do financiamento científico. À época, tanto os alunos dos projetos de Iniciação Científica (Italo Társis de Sousa e José Henrique Lima) quanto da pós-graduação (Claudenice de Arruda e Ingrid Henriques) tinham bolsas para fazer pesquisa e eles foram fundamentais nessa descoberta", destacou Kokubum.

Ameaça de extinção

A descoberta da nova espécie chama a atenção para a importância da preservação da biodiversidade na região. "Como outros enclaves de floresta úmida da Caatinga, o Pico do Jabre é constantemente ameaçado por caça e queimadas ilegais, desmatamento para fins agrícolas e extração ilegal de madeira. A distribuição restrita da jararaca-do-jabre sugere fortemente que esta espécie, recém-descoberta, já está criticamente ameaçada e provavelmente está se aproximando da extinção como uma população natural", alerta o pesquisador.

O laboratório

O LHUFCG foi criado em 2011, no Centro de Saúde e Tecnologia Rural (CSTR) da UFCG, Campus Patos, sob coordenação do professor Marcelo Kokubum, para o desenvolvimento de projetos de Herpetologia com alunos de graduação, Iniciação Científica e pós-graduação, principalmente nas áreas de Ecologia, História Natural, Comportamento e Taxonomia de anfíbios e répteis da Caatinga. Possui atualmente um acervo com cerca de três mil animais, entre anfíbios e répteis, de mais de 50 espécies.

Acesse aqui o artigo.

Por 

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.