No início da guerra, Putin rejeitou acordo de paz recomendado por seu assessor

 Pessoas próximas à liderança russa afirmam que acordo provisório com Kiev satisfaria a demanda da Rússia de que a Ucrânia ficasse fora da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

O enviado-chefe de Vladimir Putin para a Ucrânia disse ao líder russo no início da guerra que ele havia fechado um acordo provisório com Kiev que satisfaria a demanda da Rússia de que a Ucrânia ficasse fora da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), mas Putin o rejeitou e seguiu em frente com sua campanha militar, segundo três pessoas próximas à liderança russa.

O enviado ucraniano, Dmitry Kozak, disse a Putin que acreditava que o acordo que ele havia fechado eliminava a necessidade da Rússia perseguir uma ocupação em larga escala da Ucrânia, segundo essas fontes. A recomendação de Kozak a Putin para adotar o acordo está sendo relatada pela Reuters pela primeira vez.

Putin havia afirmado repetidamente antes da guerra que a Otan e sua infraestrutura militar estavam se aproximando das fronteiras da Rússia ao aceitar novos membros da Europa Oriental, e que a aliança agora estava se preparando para trazer a Ucrânia para sua órbita também. Putin disse publicamente que isso representava uma ameaça existencial à Rússia, forçando-o a reagir.

Mas, apesar de ter apoiado anteriormente as negociações, Putin deixou claro quando apresentado ao acordo de Kozak que as concessões negociadas por seu assessor não foram suficientemente longe e que ele havia expandido seus objetivos para incluir a anexação de faixas do território ucraniano, disseram as fontes. Resultado: o negócio foi cancelado.

Questionado sobre as descobertas da Reuters, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse: “Isso não tem absolutamente nenhuma relação com a realidade. Isso nunca aconteceu. É uma informação absolutamente incorreta”.

Kozak não respondeu aos pedidos de comentários enviados via Kremlin.

Mykhailo Podolyak, assessor do presidente ucraniano, disse que a Rússia usou as negociações como uma cortina de fumaça para se preparar para sua invasão, mas não respondeu a perguntas sobre o conteúdo das negociações nem confirmou que um acordo preliminar foi alcançado. “Hoje, entendemos claramente que o lado russo nunca se interessou por um acordo pacífico”, disse Podolyak.

Duas das três fontes disseram que um esforço para finalizar o acordo ocorreu imediatamente após a invasão da Rússia em 24 de fevereiro. Em poucos dias, Kozak acreditou ter o acordo da Ucrânia com os principais termos que a Rússia vinha buscando e recomendou a Putin que assinasse um acordo, disseram as fontes.

“Depois de 24 de fevereiro, Kozak recebeu carta branca: eles lhe deram luz verde; ele conseguiu o acordo. Ele o trouxe de volta e disseram para ele ir embora. Tudo foi cancelado. Putin simplesmente mudou o plano à medida que avançava”, disse uma das fontes próximas à liderança russa.

A terceira fonte – que foi informada sobre os eventos por pessoas informadas sobre as discussões entre Kozak e Putin – divergiu sobre o momento, dizendo que Kozak havia proposto o acordo a Putin, e o rejeitado, pouco antes da invasão. Todas as fontes solicitaram anonimato para compartilhar informações internas confidenciais.

A ofensiva de Moscou na Ucrânia é a maior campanha militar na Europa desde a Segunda Guerra Mundial. Isso provocou amplas sanções econômicas contra a Rússia e apoio militar à Ucrânia por parte de Washington e seus aliados ocidentais.

Mesmo que Putin tivesse concordado com o plano de Kozak, permanece incerto se a guerra teria terminado. A Reuters não conseguiu verificar de forma independente se o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky ou autoridades de seu governo estavam comprometidos com o acordo.

Kozak, que tem 63 anos, é um tenente leal a Putin desde que trabalhou com ele na década de 1990 no gabinete do prefeito de São Petersburgo.

Kozak estava bem posicionado para negociar um acordo de paz porque, desde 2020, Putin o encarregou de conduzir conversas com colegas ucranianos sobre a região de Donbass, no Leste da Ucrânia, controlada por separatistas apoiados pela Rússia após uma revolta em 2014. Depois de liderar a delegação russa em conversas com autoridades ucranianas em Berlim em 10 de fevereiro – intermediado pela França e Alemanha – Kozak disse em uma entrevista à imprensa tarde que a última rodada dessas negociações terminou sem um avanço.

Kozak também foi um dos presentes quando, três dias antes da invasão, Putin reuniu seus chefes militares e de segurança e principais assessores no salão Yekaterinsky do Kremlin para uma reunião do Conselho de Segurança da Rússia.

Câmeras de televisão estatais gravaram parte da reunião, onde Putin apresentou planos para dar reconhecimento formal a entidades separatistas no Leste da Ucrânia.

Uma vez que as câmeras foram levadas para fora da vasta sala com suas colunas neoclássicas e teto abobadado, Kozak se manifestou contra a Rússia tomar quaisquer medidas para escalar a situação com a Ucrânia, disseram duas das três pessoas próximas à liderança russa, bem como uma terceira pessoa que soube o que aconteceu com as pessoas que participaram da reunião.

Outro entrevistado pela Reuters, que ajudou nas negociações pós-invasão, disse que as discussões desmoronaram no início de março, quando autoridades ucranianas entenderam que Putin estava comprometido em levar adiante a invasão em larga escala.

Seis meses depois do início da guerra, Kozak continua no cargo de vice-chefe de gabinete do Kremlin. Mas ele não está mais lidando com o dossiê da Ucrânia, de acordo com seis das fontes que conversaram com a Reuters.

“Pelo que posso ver, Kozak está longe de ser visto”, disse um dos seis, uma fonte próxima à liderança separatista no Leste da Ucrânia.

Por 

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.