Brasil acolheu 101 ucranianos que fugiram da guerra em março

 De acordo com o governo, juntamente com os poloneses, os ucranianos compõem o maior contingente de imigrantes eslavos no país.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) — O Brasil concedeu 74 vistos e 27 autorizações de residência humanitária a ucranianos no mês de março, em um total de 101 acolhidos, de acordo com um balanço divulgado pelo Ministério da Justiça nesta segunda-feira (11).

A portaria interministerial de acolhida humanitária para pessoas dessa nacionalidade afetadas pela guerra com a Rússia foi regulamentada no dia 3 de março e prevê tanto o visto, que pode ser solicitado no exterior, quanto a autorização de residência para aqueles que já estão em solo brasileiro.

Segundo os dados, em 2022 quatro ucranianos foram reconhecidos como refugiados no país e outros 37 aguardam resposta ao pedido em andamento. De 2010 a 2021, 74 solicitações do tipo foram recebidas e 15 foram aprovadas.

O status de refugiado, que prevê uma série de proteções a pessoas perseguidas em seus países ou vítimas de conflitos, é julgado pelo Comitê Nacional para os Refugiados (Conare).

De acordo com o governo, juntamente com os poloneses, os ucranianos compõem o maior contingente de imigrantes eslavos no país.

Entre janeiro de 2010 e dezembro de 2021, mais de 3.300 pessoas dessa nacionalidade registraram residência no país, a maioria delas — quase 2.300 — na região Sudeste. A  maioria (83%) é do sexo masculino e possui entre 25 e 39 anos.

Por 

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.