RÁDIO INFORMATIVO EM FOCO

Moro, Tebet e D´Avila defendem critério de pesquisa e rejeição para candidatura única de centro

 Pré-candidatos da terceira via participaram de debate em São Paulo nesta sexta-feira.

SÃO PAULO — Em debate para uma plateia de empresários, pré-candidatos à Presidência da República da chamada terceira via defenderam nesta sexta-feira uma candidatura única com base em critério de desempenho e rejeição nas pesquisas.

Participaram do evento o ex-juiz Sergio Moro (Podemos), a senadora Simone Tebet (MDB-MS) e Luiz Felipe d’ Avila (Novo). O encontro foi promovido pelo grupo Lide, que tem o governador de São Paulo João Doria como um dos seus fundadores. Doria também é postulante ao Palácio do Planalto, mas não estava presente.

Deste grupo, o ex-juiz aparece mais bem posicionado nas pesquisas de intenção de voto. No entanto, levantamentos de diversos institutos mostram que Moro e Doria tem maior rejeição que Tebet e o pré-candidato do Novo.

Pesquisa do último dia 9 da Genial/Quaest aponta a liderança do ex-presidente Lula com 45% das intenções de voto, contra 23% do presidente Jair Bolsonaro. Ciro Gomes (PDT) e Moro aparecem empatados com 7% das intenções de voto. Doria (PSDB) está com 2%, empatado numericamente com André Janones (Avante). A senadora Simone Tebet (MDB) está com 1%. Rodrigo Pacheco (PSD) e Felipe D´Avila não pontuaram.

Moro foi o primeiro a chamar a atenção para a necessidade de união do centro para quebrar a polarização representada pelo ex-presidente Lula e pelo presidente Jair Bolsonaro.

— O meu entendimento é que devemos nos unir em torno de um nome e o fator das pesquisas deve ser levado em consideração. O quanto antes a união ocorrer melhor porque nos fortalecemos inclusive contra as máquinas de fake news — disse o ex-juiz.

Em seguida, Tebet e Luiz Felipe D’ Avila mostraram que estavam afinados com o discurso e concordaram:

— Como nos unir agora sem saber quem é o candidato ideal pra romper essa polarização ? O tempo da política é o da campanha. Como podemos avaliar isso? Com pesquisa, é verdade. E pesquisa quantitativa e qualitativa, nó só pela intenção de voto, mas por quem tem menor índice de rejeição — opinou a senadora.

D’ Avila complementou em coro:

— Um critério importante pode ser o maior potencial de crescer nas pesquisas e que tenha baixa rejeição. Isso pode indicar que alguém comece ter tração e o endosso da população.

Por 

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.