Cartunista Nani morre aos 70 anos vítima da Covid-19 em Belo Horizonte

 Ele trabalhou ao lado de Chico Anysio por 20 anos, escreveu livros e foi reconhecido em diversas premiações.

O cartunista Nani, criador da tira Vereda Tropical, morreu nesta sexta-feira (8), em Belo Horizonte. Aos 70 anos, ele foi vítima da Covid-19, segundo informações da família.

Nani deixa dois filhos, Juliano e Danilo, uma neta, a Manuela, e a mulher, Inez.

Nani ao lado da netinha Manuela em seu último aniversário, em Esmeraldas, para onde se mudou no início de 2021 para se manter isolado durante a pandemia. — Foto: Arquivo pessoal

Mineiro de Esmeraldas, na Região Metropolitana, ele estava fazendo isolamento em sua cidade natal desde o início deste ano, quando se mudou do Rio, mas foi infectado pelo coronavírus.

De acordo com a família, Nani estava internado havia uma semana na capital mineira.

Nani ao lado dos filhos, Juliano e Danilo, e da netinha, Manuela. — Foto: Arquivo pessoal

Nani fazia parte do grupo de risco para a Covid-19. Ele ficou conhecido na medicina brasileira por ter passado por três transplantes de fígado em apenas um mês.

Nani ao lado de Chico Anysio, com quem trabalhou por 20 anos. — Foto: Arquivo pessoal

Conhecido em todo o país pelo apelido, Ernani Diniz Lucas nasceu em 27 de fevereiro de 1951. Aos 20 anos, começou a carreira em Belo Horizonte, publicando charges. Pouco depois, em 1973, mudou-se para o Rio de Janeiro.

Ao longo da trajetória profissional, colaborou com O Pasquim e foi chargista de O Globo. Também publicou em veículos como Jornal dos Sports, Última Hora e O Dia.

Algumas tirinhas publicadas por Nani em sua rede social, que era bastante produtiva. A mais recente foi postada no dia 24 de setembro. — Foto: Nani / Reprodução

O cartunista de humor ficou conhecido por ser o criador da tirinha Vereda Tropical, publicada em diversos jornais pelo brasil na década de 1980. A tira satirizava a situação política e social brasileira da época.

Na TV Globo, Nani trabalhou ao lado de Chico Anysio por 20 anos, como roteirista em Chico Total e Escolinha do Professor Raimundo.

Segundo os amigos, era nos bares de Esmeraldas que ele se inspirava para os roteiros que escrevia para a Globo. Ao ouvir os amigos nos barzinhos, ele criava bordões que seriam usados, por exemplo, nos episódios com o Chico Anysio.

Ele também escreveu textos para os programas Casseta & Planeta, Sai de Baixo e no Zorra.

Ao longo da carreira, Nani foi reconhecido por autoridades do humor e reconhecido por premiações internacionais.

Cartunista Nani morre em Belo Horizonte — Foto: Reprodução/TV Globo

É ainda autor de diversos livros. Entre eles, estão “Batom na cueca”, “É grave, doutor?” e “Humor politicamente incorreto”.

Seu mais recente livro, "Tem outra palavra na palavra", foi lançado em 31 de agosto deste ano.

O cartunista Nani — Foto: Arquivo pessoal

Por 

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.