Sancel
24.2.20

Ceará chega ao 7º dia de motim da PM com batalhões ocupados, policiais presos e onda de violência

Em meio à paralisação, continua a onda de violência no estado, com registros de homicídios e assaltos na capital e no interior.

Em meio aos atos, o Ceará registrou pelo menos 128 homicídios. (Foto: Reprodução)
O motim de policiais militares no Ceará chega ao 7º dia nesta segunda-feira (24). Pelo menos três batalhões de Fortaleza e da região metropolitana seguem ocupados por grupos de amotinados. Até a noite de domingo (23), mais de 200 agentes de segurança haviam sido afastados por participação nos atos e 37 foram presos por deserção. Em meio à paralisação, continua a onda de violência no estado, com registros de homicídios e assaltos na capital e no interior.
Desde terça-feira (18), homens encapuzados que se identificam como agentes de segurança do Ceará invadiram e ocuparam quarteis, depredando veículos da polícia. Policiais militares reivindicam aumento salarial acima do proposto pelo governador Camilo Santana. Em quatro dias de paralisação, entre quarta-feira (19) e sábado (22), 122 homicídios foram registrados no estado pela Secretaria da Segurança Pública (SSPDS). Por conta da crise na segurança, a Força Nacional e o Exército passaram a atuar em Fortaleza.
Na manhã desta segunda, dois batalhões da PM em Fortaleza - 17º e o 18º , localizados nos Bairros Conjunto Ceará e Antônio Bezerra - permanecem ocupados por homens amotinados e com carros da polícia depredados bloqueando as entradas. Em Caucaia, na Grande Fortaleza, o 12º Batalhão tem cerca de 20 veículos policiais obstruindo ruas que dão acesso à unidade.
Entre sexta-feira (21) e domingo (23), 230 policiais foram afastados das funções por envolvimento no motim, com a instauração de Processos Administrativos Disciplinares (PADs) pela Controladoria Geral de Disciplina (CGD). Os afastamentos, a princípio, são preventivos e devem durar 120 dias. As investigações apuram práticas "de ato incompreensível com a função pública, gerando clamor público, tornando os afastamentos necessários à garantia da ordem pública", segundo as portarias publicados no Diário Oficial do Estado (DOE).
Ao todo, 37 policiais considerados desertores foram presos no domingo por faltarem a uma chamada para trabalhar na segurança em festas de carnaval no interior do Ceará.
Na lista dos afastados, está o ex-deputado federal Cabo Sabino (Avante-CE), da Polícia Militar do Ceará. Segundo informações do DOE, Sabino e lideranças da Associação das Esposas de Militares, "convocaram os policiais e familiares para se fazerem presentes no 18º BPM [Batalhão da Polícia Militar] com o objetivo de obstruir o serviço e iniciar o movimento de paralisação" dos policiais.
Onda de violência
Em meio aos atos, o Ceará registrou pelo menos 128 homicídios. Com mais de 70 mortes contabilizadas, a sexta-feira e o sábado foram os dois dias mais violentos do estado desde 2012, ano da última paralisação de PMs no Ceará.
Um homem de 39 anos e a filha de um 1 ano e 11 meses foram assassinados dentro de casa em Beberibe, no litoral cearense, na madrugada de sábado (22). Criminosos invadiram a residência da família e dispararam contra o pai, acreditando se tratar de um desafeto com quem haviam brigado horas antes.
Além dos assassinatos, assaltos, roubos e ataques a veículos policiais também ocorreram nos últimos dias na capital e no interior. No sábado, doze pessoas foram presos quando se preparavam para cometer assaltos em uma festa de carnaval na cidade de Paracuru, na região metropolitana.
Reforços na segurança
Atualmente, a segurança no estado é reforçada por 2,5 mil soldados do Exército e 150 agentes da Força Nacional, além de 212 policiais rodoviários federais, policiais civis e PMs de batalhões que não aderiram à paralisação.
O comandante da 10ª Região Militar do Ceará, Fernando da Cunha Mattos, afirmou que o estado ainda receberá mais tropas para reforçar a segurança. Mattos disse que o número de soldados foi "inicialmente insuficiente" e que o Comando do Nordeste enviou tropas de quatro estado. O número de soldados, porém, não foi informado pelo comandante.

Por 

  • Comentar com o Gmail
  • Comentar com o Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Item Reviewed: Ceará chega ao 7º dia de motim da PM com batalhões ocupados, policiais presos e onda de violência Rating: 5 Reviewed By: Informativo em Foco