Sancel
12.11.18

Refeições em família: Como as crianças se beneficiam do contato com os pais à mesa

A hora do jantar é uma correria para muitas famílias: horários que não batem, cansaço depois de um dia cheio e pouco tempo para preparar refeições. O resultado é que, às vezes, cada pessoa da casa come em seu canto, em um horário diferente, diante da TV ou do celular - e nem sempre a comida é nutritiva.
Mas um projeto da Universidade Harvard se pôs a analisar 15 anos de pesquisas acadêmicas sobre refeições familiares e descobriu resultados significativos. Crianças que jantam regularmente em família costumam consumir mais nutrientes de frutas e vegetais, têm índices menores de obesidade e menor propensão a serem obesos quando adultos, além de ingerirem menos calorias do que se estivessem comendo fora de casa.
Foram identificados, também, benefícios acadêmicos e emocionais: taxas menores de uso de drogas e de depressão, mais resiliência, vocabulário mais amplo, maior capacidade de leitura e, no geral, notas melhores na escola.
"Muitos fatores estão por trás disso, mas em grande parte esses benefícios se devem aos laços criados durante as refeições. É um momento de criar tradições familiares, de aproveitar a companhia um do outro e de simplesmente estar juntos", diz à BBC News Brasil Lynn Barendsen, diretora-executiva do Family Dinner Project (Projeto Jantar em Família), abrigado dentro da Escola de Educação de Harvard.
Um dos estudos levantados pelo projeto foi feito em 2010 pela Universidade Columbia, e comparou adolescentes que faziam refeições familiares frequentes (cinco a sete vezes por semana) aos que faziam menos de três por semana - os últimos tinham o dobro de propensão de experimentar drogas. Um motivo por trás disso seria que as refeições davam aos jovens a chance de conversar com seus parentes sobre seus cotidianos.
RefeiçãoDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionRefeições de uma panela só podem ajudar em dias de correria
A BBC News Brasil levantou algumas dessas dicas e estratégias para famílias que queiram melhorar - e multiplicar - as refeições conjuntas.
Barendsen ressalta que não há uma cartilha ou regra única para ser adotada por todos: cada família pode avaliar o que serve ou não para suas necessidades e o que ajuda ou não a deixar suas refeições mais prazerosas.

Criar hábitos aos poucos, sem se preocupar com a perfeição

"Em geral, as famílias que acompanhamos têm diferentes obstáculos: falta de tempo para cozinhar, o que gera estresse; reunir todos os membros da família ao mesmo tempo; não saber cozinhar; ter membros da família que sejam chatos para comer; ou estar em momentos de dificuldade financeira, tendo que trabalhar em excesso", diz Barendsen.
"A questão é identificar qual obstáculo dificulta as suas refeições e pensar em metas realistas, pequenas. Para uma família que só tem conseguido comer fast food todos os dias, não adianta esperar que todas as refeições passem a ser orgânicas. É um bom começo se eles passarem a comer melhor e juntos um dia por semana, ou a experimentar um alimento novo por semana, e aos poucos elas podem evoluir a partir daí."
Entre as 21 oportunidades de refeição de cada semana, se a família conseguir aproveitar uma ou outra para se reunir e conversar já estará dando passos importantes. Se o pai só chega em casa depois de os filhos terem jantado, a reunião familiar pode se dar durante a sobremesa.
*Sugestões:
- Tirar um tempinho do fim de semana para planejar as refeições da semana seguinte facilita a organização da família.
RefeiçãoDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionDividir as tarefas e envolver as crianças no preparo ajudam a tornar mais fácil a hora das refeições
- Cozinhar em maior quantidade e com antecedência, congelando porções em seguida.
- "Trocar" refeições com outras famílias em situação parecida: você prepara uma quantidade dobrada da mesma comida e troca com a outra família o prato que ela fez em dobro; assim, ambas vão ter uma variedade maior de pratos.
- Dividir as tarefas relacionadas às refeições é importante para evitar que um único membro da família (geralmente, a mãe) fique sobrecarregado com compras, preparo e limpeza. "Dá para criar tradições familiares e dividir as tarefas de compras e limpeza, por exemplo, incluindo as crianças - cada dia da semana uma lava a louça", sugere Barendsen.

A conversa importa tanto quanto a comida

A pesquisadora sugere deixar assuntos espinhosos - notas na escola, por exemplo - para outros momentos da vida familiar. E preservar as refeições para conversas descontraídas, jogos e brincadeiras.
"A conversa e a diversão das refeições importam exatamente o mesmo que a (qualidade da) comida", afirma Barendsen.
"Se as refeições forem só de perguntas sobre o dia na escola, os jovens não vão querer participar, por exemplo. Se a conversa for algo leve, vai estimulá-los a expressar seus pontos de vista, aprender a respeitar opiniões alheias e a desenvolver mais vocabulário até mesmo do que se os pais estivessem lendo com eles."
*Sugestões:
Refeição em famíliaDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionOs benefícios das refeições se devem aos laços criados entre a família, diz especialista
- Deixar cada membro da família ter um dia para escolher a música que será ouvida durante a refeição.
- Conversar sobre filmes e séries de TV em vez de escola ou trabalho, caso esses assuntos gerem discussões muito acaloradas e improdutivas.
- Ter em mãos temas reflexivos para estimular as conversas com as crianças: "se você ganhasse na loteria, o que faria com o dinheiro?"; "se você pudesse voltar ao passado, que coisas traria para o presente?"; "conte duas coisas boas do seu dia."
- Ou, em vez de fazer perguntas, pode-se propor reflexões sobre partes do dia da criança ou adolescente. "Pensei em você na hora do almoço porque sabia que você estaria fazendo aquela prova difícil e fiquei torcendo para ir tudo bem". Não espere uma resposta, apenas veja se ela vai usar a deixa para conversar.
- Se ajudar a prevenir o estresse, talvez valha evitar a "fiscalização" constante do prato das crianças, dando a elas alguma autonomia. Ter mais de um vegetal disponível na refeição permite, por exemplo, que a criança escolha um caso não queira comer o outro.
- Caso os pais achem válido brincar com a comida no prato, Barendsen sugere que fazer um rosto com cabelo de alface e olhos de azeitona, por exemplo, pode ajudar a tornar a refeição mais divertida.
Pizza caseiraDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionPizzas caseiras, crepes, wraps e sanduíches ajudam a agradar os que não gostam de certos alimentos - que podem ser substituídos por outros, desde que também saudáveis

A comida importa muito - mas pode ser simples e rápida

Poucas famílias têm tempo para elaborar múltiplos pratos complexos para todas as refeições - e isso nem é necessário.
"Dá para pensar em pratos rápidos e nutritivos e envolver a família no preparo", diz Barendsen. "Lembrando que não há um número mágico em que as refeições em família começam a surtir efeito, e a única coisa que não pode faltar é desfrutar a companhia um do outro."
*Sugestões:
- As crianças estão com fome e a comida não está pronta? Uma ideia é usar frutas e vegetais como lanchinho - pedaços de cenoura, manga, brócolis, pepino ou azeitona, por exemplo. Daí você não precisa se preocupar quanto a se elas vão comer frutas e vegetais durante a refeição.
- Bolar refeições de "uma panela só": um macarrão enriquecido com vegetais, um risoto com múltiplos ingredientes ou um wrap/sanduíche/panqueca/pizza caseira em que cada membro da família possa montar com os ingredientes (desde que saudáveis) de sua escolha.
- Para manter as crianças sentadas à mesa e conversando por mais tempo, uma possibilidade é ter como atrativo sobremesas simples e saudáveis - raspadinha de frutas, sorvete de banana congelada, bolos de frutas.
Menino comendo diante da TVDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionRefeições solitárias tendem a ser menos saudáveis e não propiciam momentos familiares construtivos
- Envolva as crianças no preparo: por exemplo, oferecendo duas opções de menu e deixando elas escolherem uma; levando-as à feira para que conheçam os alimentos in natura e pedindo para que elas escolham um que nunca viram - depois, vocês podem bolar juntos uma receita para esse alimento novo. As crianças também podem se divertir ajudando a pôr a mesa, medindo ingredientes, ligando o liquidificador e (com muito cuidado e supervisão), dependendo da idade, cortando vegetais e mexendo na panela.
- Elabore uma lista de receitas simples às quais você possa recorrer quando estiver com pressa e sem ideias, e mantenha ingredientes-chave na geladeira. Vegetais congelados, queijo e pedaços de pão podem virar uma refeição improvisada em questão de minutos.
- Com bebês e crianças pequenas, é bom lembrar que é necessário oferecer o mesmo alimento diversas vezes - e de diversos jeitos - para eles se acostumarem ao sabor. E pode ser que haja bagunça e sujeira. Se o resultado forem refeições mais divertidas, talvez valha relevar a confusão. Vai depender da dinâmica de cada casa.
- Pensar fora da caixa: se não deu para se reunir no jantar de ontem, quem sabe dá para organizar um café da manhã juntos ou um lanchinho antes de dormir? Se a mesa de jantar está cheia de papéis, dá para estender a toalha no chão e fazer um piquenique improvisado.

Permitir ou não eletrônicos?

Para Barendsen, cada família deve avaliar o que funciona ou não para si - e fazer acordos a partir disso. É o que vale, por exemplo, para o dilema de permitir ou não o uso de eletrônicos durante as refeições.
"A ideia é, novamente, que não adianta esperar perfeição, e tem gente que não consegue ficar longe do celular, embora eu coloque os eletrônicos na lista de coisas que podem perturbar as refeições", diz ela.
"Há famílias que vetam o uso de eletrônicos, há as que permitem o uso se for alguma mensagem urgente e há as que usam os eletrônicos em favor das conversas e da integração familiar - para ver um vídeo que pode servir de assunto ou para conversar via Skype com o pai que não chegou a tempo para o jantar."
Se a ideia for vetar os eletrônicos, ela sugere fazê-lo em pequenos passos e sempre em comum acordo com a família.
Família olhando o celular enquanto comeDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionCabe a cada família estabelecer (ou não) limites para eletrônicos durante as refeições

Começar tradições familiares

Um dos mantras do Projeto Jantar em Família é que "as refeições familiares têm o poder de estimular o pensamento ético".
E Barendsen conta ter visto isso na prática. "Uma das famílias que acompanhamos é de uma mãe que certa noite estava jantando com seus dois filhos, quando perguntou: 'se vocês ganhassem na loteria, o que fariam com o dinheiro?'. Ela esperava uma resposta brincalhona, mas ouviu de um deles, 'eu daria o dinheiro para caridade'. Foi uma conversa de dez minutos no jantar que deu início a uma tradição familiar: eles reservaram um pote no qual juntam dinheiro para doar."
*Sugestões:
- Aproveitar as refeições para conversar sobre projetos em família: uma viagem que queiram fazer juntos, uma decisão que queiram tomar (ter ou não um animal de estimação?) ou um esforço coletivo (por exemplo, mudar os hábitos alimentares de todos).
- Celebrar pequenas conquistas cotidianas: transformar as refeições em ocasiões especiais para comemorar não apenas aniversários, mas também quando um dos membros da família concluir um projeto difícil (desde aprender a andar de bicicleta a entregar um trabalho escolar) ou fizer algo especial (resolver um conflito na escola ou iniciar um curso novo, por exemplo).
BBCBrasil
  • Comentar com o Gmail
  • Comentar com o Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Item Reviewed: Refeições em família: Como as crianças se beneficiam do contato com os pais à mesa Rating: 5 Reviewed By: Informativo em Foco