Sancel
6.8.18

Pós-convenção, Alckmin mira eleitores de Bolsonaro

Como diz um membro da cúpula tucana, é inútil buscar votos do lado vermelho do quadro no primeiro turno

REUTERS
A campanha de Geraldo Alckmin (PSDB) elegeu como desafio central nos 26 dias que antecedem o início do horário eleitoral gratuito a formulação de uma estratégia para roubar eleitores de Jair Bolsonaro (PSL).
Segundo a mais recente pesquisa Datafolha, de junho, o deputado lidera a corrida ao Planalto em cenários sem Luiz Inácio Lula da Silva (PT), com 19% das intenções de voto -o tucano oscila entre 6% e 7%.
O campo de batalha neste momento se baseia nos desenvolvimentos após a eleição de 2014, que basicamente dividiu o país entre os chamados azuis (do centro à direita, personificados então no PSDB) e os vermelhos (a mão inversa, à esquerda, dominada pelo PT).
No lado azul, o PSDB perdeu espaço para Bolsonaro, fenômeno associado à rejeição da direita ao establishment que ganhou corpo durante o impeachment de Dilma Rousseff (PT), mas que tem origens rastreáveis nos protestos de junho de 2013.
Como diz um membro da cúpula tucana, é inútil buscar votos do lado vermelho do quadro no primeiro turno.
Para os tucanos, o eleitor radicalizado à direita é que precisa ser recuperado -pesquisas à disposição das campanhas calculam em um terço os bolsonaristas que têm Alckmin como segunda opção.
O problema é a forma de abordagem. Atacar diretamente Bolsonaro, como a esquerda faz, apenas aliena esse eleitorado, que obviamente não gosta de ser chamado de "fascista" ou "burro".
Serão testadas táticas de comunicação pinçando pontualmente os pontos nevrálgicos da imagem do deputado.
A campanha de Bolsonaro sabe que suas altercações com mulheres são hoje um calcanhar de Aquiles maior do que, por exemplo, sua defesa da ditadura militar. Tanto é assim que ele fez seu primeiro discurso como candidato falando sobre a importância do eleitorado feminino.
A depender do efeito sobre apoiadores de Bolsonaro, os temas podem ser inseridos na campanha.
Um dos principais nomes ouvidos pelo PSDB quando o assunto é eleição tem dúvidas sobre essa forma de agir. Ele considera mais importante apontar o que os tucanos consideram inconsistências práticas do deputado e apresentar Alckmin como a contraposição lógica a elas.
Não será fácil, prevê esse guru político. Bolsonaro tem apresentado vacinas simples para acusações com grau de sofisticação maior, como a ausência de apoio parlamentar que terá caso eleito ou pontos de seu programa econômico.
Transformou a primeira em ativo eleitoral, negando ser "igual aos outros". E terceirizou a segunda para seu mentor, o economista Paulo Guedes, que segue entusiasmando o mercado, como provou a reação da plateia em um encontro para 130 pessoas no banco BTG na quinta (2).
A alocação da senadora Ana Amélia (PP-RS) na vice do tucano também sinaliza uma disposição mais combativa de Alckmin, já que garante o tempero antipetista à chapa e restabelece pontes com o agronegócio e a região Sul, que o PSDB perdeu para Bolsonaro e para Álvaro Dias (Podemos), um integrante minoritário do campo azul.
Para um membro da cúpula tucana, contudo, isso é mais simbólico. Ele aponta a adesão do centrão (DEM, PP, PR, PRB e SDD) à campanha tucana como o mais importante marco da jornada de Alckmin até aqui, por agregar o latifúndio de tempo de TV em que o discurso será apresentado.
O tucanato tem dúvidas também sobre a possibilidade de atração do voto hoje branco ou nulo.
Segundo o Datafolha aferiu em junho, essa fatia do eleitorado sobe 11 pontos percentuais sem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no páreo, para 28%. Parece difícil que o PSDB consiga pescar nesse rio que corre mais à esquerda.
Já os indecisos somam, segundo o Datafolha, uma faixa estável entre 4% e 6% a depender do cenário apresentado.
Naturalmente, Bolsonaro não é o foco único.
A campanha de Alckmin, ciente da fama de "picolé de chuchu" do candidato, pretende vendê-lo como um realizador experimentado com histórico a mostrar –obras, as contas públicas relativamente em ordem e a queda no número de homicídios em São Paulo deverão estrelar o horário eleitoral.
A partir daí, tentar convencer o eleitor que isso é suficiente para acelerar a recuperação da economia, e que o apoio de partidos enrolados com escândalos recentes é garantia de que terá musculatura congressual para aprovar medidas importantes antes de ser um ônus.
Hoje, a campanha compartilha a avaliação generalizada de que Lula será considerado inelegível, mas que Ciro Gomes (PDT) e Marina Silva (Rede) tenderão a ser engolidos à esquerda pelo nome indicado pelo ex-presidente.
Daí o foco inicial em Bolsonaro, adversário direto pela vaga azul no segundo turno. Daí em diante, o jogo será completamente distinto. 

Folhapress
  • Comentar com o Gmail
  • Comentar com o Facebook
Item Reviewed: Pós-convenção, Alckmin mira eleitores de Bolsonaro Rating: 5 Reviewed By: Informativo em Foco